21
Jan 09

 

Cada novo filme de David Fincher é precedido de uma boa dose de expectativa. Acrescente-se a fábula surreal a la Burton, e a coisa promete.

The Curious Case of Benjamin Button é uma história que, de tão invulgar, nos prende ao ecrã em busca do seu desfecho, e nos desperta ternura e compaixão pelo seu protagonista.

Benjamin Button é um bebé que nasce com sintomas de velhice extrema, e por isso é abandonado pelo pai, um rico fabricante de botões, à porta de um lar de terceira idade. Aí é acolhido por Queenie, a governanta, convencida que aquele bebé não resistiria por muito mais tempo. No entanto, Benjamin começa a evoluir ao contrário de toda a gente, ficando cada vez mais jovem e saudável à medida que o tempo passa. O resto é a história da sua vida, a sua adaptação, e sobretudo o seu grande amor, toda a vida condicionado pelas circunstâncias especiais.

Uma realização impecável (como seria de esperar de Mr. Fincher), uma fotografia fabulosa e um grande leque de actores fazem deste filme um peso pesado para todos os prémios que se aproximam. A duração demasiado longa e a sensação de que o potencial desta história não foi totalmente explorado deixam um certo amargo de boca no que poderia ser uma obra memorável.

publicado por André às 23:45
tags:

2 comentários:
O cinema é mesmo uma arte dos deuses. E por falar em deuses, Brad Pitt, mesmo com 80 anos, ainda vai derreter muitos corações, ah vai...
Abraços.
astresmarias a 22 de Janeiro de 2009 às 16:36

Eu achei a duração perfeita.
MJNuts a 22 de Janeiro de 2009 às 19:07

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
22
24

25
27
28
29
31


arquivos
Audições
Twitter

Twitter Updates

    follow me on Twitter
    mais sobre mim
    pesquisar neste blog
     
    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.